26
Dezembro
Funai emite certidão confirmando que na Suiá Missu não existiam índios!

 


Algumas coisas a gente não vai conseguir entender nunca! Acho que realmente, para algumas perguntas vamos procurar respostas incansavelmente, mas continuaremos a procurar. Estou fazendo a cobertura da desintrusão da área da Suiá Missu, decretada pelo Presidente Fernando Henrique Cardoso do PSDB em 1993 como Reserva Indígena Marawatsede, de lá pra cá um verdadeiro terremoto de angustia, preocupação e dúvida, cresce na mente e nos corações das pessoas que estão dentro da área, assim como as pessoas que estão em volta e que na pratica não teriam nada haver com a situação.

Com cada pessoa que converso tenho visto a indignação e as duvidas que enchem nossos corações na tentativa de tentar achar uma grande saída para aquele problema. Existem documentos verdadeiros e pra mim isso foi muito e já bastou. Veja, nos anos de 1970,1971 e 1974 a FUNAI – Fundação Nacional do Índio - enviou certidões para a administração da Fazenda Suiá Missu informando que alí não existiam índios. Se existem essas certidões, e se a FUNAI é realmente uma instituição séria, porque não levam á sério essas certidões? É uma pergunta que eu não consigo tirar da minha cabeça.

Se uma antropóloga assina laudos informando que a área de Suiá Missu era ocupada por índios xavantes, e os próprios índios xavantes dizem que alí nunca morou índio, e a própria FUNAI emite CERTIDÕES comprovando que alí não existiam índios, porque é então que o Fernando Henrique Cardozo decretou a área como reserva indígena? É a lei contra a própria Lei! Como a FUNAI emite certidões garantindo a inexistência de índios na área e mais tarde a própria FUNAI alega que alí era terra dos Xavantes? O mínimo que tinha que ser feito para ser justo era investigar a FUNAI, mas nem isso a gente houve falar.

Me causa uma indignação tão grande vendo pessoas simples e humildes que acreditam que estão contribuindo para um país mais justo, pessoas que estão trabalhando sol a sol, e sol a sol mesmo, na enxada, trabalho com as mãos não recebendo quase nada do governo, sendo retiradas agora de suas propriedades como se fossem bandidos e marginais. Sendo tratada como marginais sim, porque a operação em cada área leva no mínimo 14 viaturas.  Assistindo a tudo isso fico pensando até que ponto a gente deve mesmo se empenhar em trabalhar, em ser honesto e justo, quando fazemos perguntas que jamais teremos a resposta!

Fico mais triste ainda, quando vejo uma mulher eleita pelo povo brasileiro, falar em tirar as pessoas da faixa da pobreza extrema, comungar com uma ordem Judicial de retiradas de famílias que já vivem de forma contida, serem jogadas nas ruas sem direito algum, isso é tirar pessoas da linha de pobreza ou inclui-las nessa faixa? Fico triste em olhar o Posto da Mata, tenho apreendido lições naquela região que vou carregar comigo pelos anos que tiver de vida, vejo a esperança no olhar das pessoas, e as duvidas que enchem as suas almas e as fazem acreditar que ainda é possível.

Um povo trabalhador, um povo que acredita que ainda tem jeito, um povo sofrido, mas que mantem dentro do coração a esperança! O amor como cada pessoa conta sobre a história, os sofrimentos, as amizades, a comunidade que se formou no Posto da Mata, a maior reforma agraria privada deste país, sim a maior porque tudo construído ali foi através da comunidade, desde posto de saúde, escolas, energia elétrica, e tudo isso para que? Para uma decisão judicial jogar tudo isso fora! São perguntas como essa que incomodam.

E me incomoda mais ainda, em ver tão pouca preocupação dos nossos políticos, eles vêm ao Posto da Mata passam um doce na boca do povo, dão uma dose de esperança e somem! Quem realmente se comprometeu com esse povo? O Governo do Estado diz que fez muito, não acredito, acredito que o governo do estado fez muito menos que o mínimo, porque se ele tivesse feito o máximo, os Direitos Humanos estariam na área, a OAB estaria verificando se a Lei está sendo comprida, não existe uma ambulância para atender as pessoas num caso de urgência (Alias existe uma ambulância no posto da mata, que foi doada por um produtor rural que tem área dentro da Suiá Missu, mas que está sendo tratado como marginal), porque o Governador não colocou dentro da área a Polícia Militar ou sei lá o que na intenção de não massacrar o povo do nosso estado? E que estado é esse? Sinceramente existe dentro de mim uma descrença, não é uma descrença de fé em Deus e nem descrença de um povo, existe dentro de ima descrença da classe política que no fim sempre olha para os seus interesses, uma descrença nas autoridades, juízes e promotores e ministros que se trancam em suas salas sem conhecer o mínimo da realidade e que se sujeitam a assinar papeis como esse da desintrusão da Suiá Missu.

Me descrença ver um Bispo como Dom Pedro, que fez muito sim pelos menos favorecidos, mas que ao mesmo tempo excomunga uma região como o Posto da Mata, existe para ele dois lados, que Bispo é esse que não olha para cada ser humano como irmão, que risco esse Bispo está colocando a própria Igreja Católica com os seus mandamentos e sua Doutrina, como posso seguir um homem, que tem um episcopado, mas que vive de falsa modéstia e tem uma grande vaidade dentro de sua alma, caso contrário não apoiaria o que está sendo feito no Posto da Mata, e ainda por cima acusando produtores de telo ameaçado de morte. Ora, faça-me o favor, Dom Pedro mora em São Felix do Araguaia há muitos anos, se ele corresse realmente risco de vida, a Polícia deveria fazer sua segurança 24 horas por dia o que nunca aconteceu, até porque esse processo dura mais de 20 anos. Me entristece ver um Bispo receber um prêmio pela sua dedicação aos Direitos Humanos, sabendo que o Direito Humano de cada pessoa que reside em Suiá Missu está sendo tolhido.

A realidade é triste, mas essa é a realidade, fico pensando na esperança que pulsa dentro de cada um que está naquelas áreas, mas muito mais me preocupa a frieza com que a maioria trata do assunto, não há sensibilidade a dor do nosso irmão, e o Araguaia que representa muito pouco para o nosso estado, fica ainda mais enfraquecido diante de tanta covardia. Nem o nosso próprio estado é capaz de defender os cidadãos mato-grossenses, o povo da Suiá realmente só tem um caminho a percorrer e esse ninguém pode tirar: A Fé em Deus, porque a Fé nos homens essa realmente vai ser difícil permanecer depois das atrocidades cometidadas com as quase 7 mil pessoas que estão sendo despejadas da Suiá Missu.

E só para terminar, existe uma preservação inestimável com restos mortais dos índios, para preservar a história, mas a pergunta que fica dentro de mim, e os corpos dos brancos que estão enterrados na terra de Suiá Missu, no cemitério de Estrela do Araguaia, o que será feito deles? Ou o branco não merece o Direito de preservar a sua história?

O processo ainda pode ter  outro final, caso o Ministro Joaquim Barbosa hoje presidente do STF abra os olhos, e veja o processo como  Jurista e não como funcionário do Governo Federal. O nosso país realmente precisa de alguém que possa dizer e dar um basta em atitudes como a desintrusão da área da Suiá Missu. Hoje as famílias da Suiá estão sendo retiradas, amanhã ou depois o Brasil será desapropriado a fim de beneficiar quem eu já nem sei.

Que Deus possa ter piedade desses grandes navegadores que estão dentro desse mar agitado que se formou na Suiá Missu.

Clique Aqui para ver o Hino de Resistência e Paz pelas Famílias da Suiá Missu:

 

"“O talento vence jogos, mas só o trabalho em equipe ganha campeonatos.” " - Autor desconhecido!!!
©2019 - Camila Nalevaiko Studiomega