11
Dezembro
O descaso na desocupação da Suiá Missu

 

Produtores estão à mercê da Tropa que vai fazer a desintrusão, não há Direitos Humanos no local e nem médico para atender as vítimas

O clima tenso na região do Araguaia na Suiá Missu levanta mais algumas duvidas em meio a tantas outras que a população tem e que a imprensa tem, mas que não existem respostas.

No comando da Operação ninguém fala nada sobre o plano de desocupação, apenas boatos, o Comando também não apresentou aos produtores uma plano de desocupação, outra duvida que os produtores tem é no sentido de que as pessoas que forem retiradas de suas propriedades serão recolocadas em qual lugar? Não há um lugar determinado ainda para deixar as famílias que forem retiradas da Suiá.

Nesta segunda-feira (10) quando a Força Nacional e todo o seu aparato foi cumprir o primeiro mandado de desintrusão, a população que está na área, partiu para cima e foi até a fazenda Jordão onde estavam os policiais na tentativa de entrar na fazenda para que não fosse feita a desintrusão, porém com o calor dos ânimos exaltados, houve um confronto entre os manifestantes que atiraram pedras contra os policias que reagiram com balas de borracha, bomba de efeito moral e demais materiais utilizados para conter os ânimos.

Algumas pessoas ficaram feridas, porém a partir dai mais uma série de dúvidas surgiu. As pessoas que ficaram machucadas deveriam fazer corpo de delito, mas aonde? Uma mulher que caiu no chão teve que ser socorrido por populares, o repórter da TV Centro América Jonas Campos que fazia a cobertura do evento, mostrava para o helicóptero a mulher que estava ferida e desmaiada no chão, a impressão que se teve é de que o repórter estava tentando chamar o helicóptero para que socorresse a vítima, o que não aconteceu. A irmã Irene que desmaiou foi levada ao Hospital em São Felix do Araguaia, porém por parte do Comando da desintrusão não há nenhuma informação de um aparato médico para atender as pessoas que podem ficar feridas, informações extra-oficiais dizem que inclusive o Comando do Movimento de Desintrusão teria solicitado às prefeituras da região que enviassem médicos, outro fator relevante é de que a única ambulância que faz o atendimento no Posto da Mata foi doada justamente pelo fazendeiro que foi o primeiro a sofrer a sanção da desintrusão.

Com a situação da desintrusão outra pergunta que se faz é? E o cumprimento do ECA – Estatuto da Criança e do Adolescente – Ele está sendo descumprido  já que os alunos vão perder o ano escolar porque as aulas foram suspensas no Posto da Mata, mas até agora não houve uma explicação?

Outra duvida questionada é: Cadê Os Direitos Humanos? A desintrusão está sendo acompanhada somente pelos próprios agentes que estão no local para cumprir a determinação judicial e a imprensa de certa forma está fazendo o papel de mostrar os fatos, já que se a imprensa principalmente a televisionada não estivesse presente na área de conflito, ninguém poderia ver de fato o que está acontecendo.

A violência vai acontecer e já começou dentro desse processo de desintrusão, as afirmações de que pessoas vão morrer pela causa, nós podemos ver que não é mentira, eles realmente estão dispostos a isso, e os agentes estão dispostos a cumprir a decisão judicial custe o que custar. Eles estão lá para cumprir e vão cumprir.

Para finalizar, vale ressaltar que está nas mãos do Supremo Tribunal Federal e da Presidenta Dilma Rousseff a vida de penos 7 mil pessoas. Se morrer alguém neste conflito quem será responsabilizado? E de que forma será responsabilizado? Será necessário um novo massacre assim como foi em Eldorado dos Carajás onde mais de 16 pessoas morreram em conflito para que ai se tome uma decisão sensata?

Continuo acreditando no bom senso, e quero reforçar que imprescindível a presença de representantes dos Direitos Humanos neste lugar.

Uma vergonha para o Brasil, o país do Futebol , do Carnaval e da Alegria e que neste momento vive uma guerra que poucos estão vendo..

"“O talento vence jogos, mas só o trabalho em equipe ganha campeonatos.” " - Autor desconhecido!!!
©2019 - Camila Nalevaiko Studiomega